Guia de CDs

Psychosis

Cavalera Conspiracy

Psychosis Napalm Records
  • Rolling  Stone:
    Whole StarWhole StarWhole StarWhole StarEmpty Star
  • Imprimir
por Pablo Miyazawa
17 de Janeiro de 2018
Há algo de familiar em Psychosis, quarto álbum do Cavalera Conspiracy em dez anos, que os fãs do Sepultura vão perceber rapidamente – talvez tão rápido quanto os riffs urgentes e as batidas na velocidade da luz dos irmãos de sangue/parceiros Max e Iggor. Trata-se de um projeto pessoal esporádico, mas a cada nova tentativa fica evidente a vontade da dupla de se embrenhar na nostalgia das primeiras experiências musicais, quando ser cru, veloz e brutal era só o que importava. Alguns momentos do disco homenageiam o passado distante, como “Judas Pariah”, cujo riff alude a “Troops of Doom”, o mais próximo de um hit que o Sepultura teve em sua primeira fase. Há também certa ênfase no groove inspirado pela fase consagrada de Chaos A.D. (1993), como a grotescamente batizada “Impalement Execution”. O peso imensurável não deixa dúvidas de que os Cavalera jamais querem cair no clichê de soarem mais leves com a idade. Aos 48, Max toca e urra como se precisasse provar algo, mas nem precisava tanto. Seria incrível se tamanha energia fosse aplicada a uma reunião da formação clássica do Sepultura, que ano após ano se mostra mais musicalmente viável – ainda que as diferenças pessoais a tornem impossível. Mas sonhar é de graça, e Psychosis mostra que motivos para isso nós ainda temos.